Trabalhadores do transporte coletivo iniciam greve


Fonte: Sintraturb

Os trabalhadores do Transporte Coletivo urbano da Grande Florianópolis se encontram em greve desde as 09h30min desta terça-feira e por tempo indeterminado. A luta é por melhores condições de trabalho, garantia de nossos empregos, investimentos no transporte coletivo urbano e contra o aumento da tarifa.

PROPOSTA OU PROVOCAÇÃO?

Os representantes patronais apresentaram ao SINTRATURB sua resposta a nossa Pauta de Reivindicações. Na verdade se trata da primeira parte da proposta deles para chegarmos a uma Convenção Coletiva de Trabalho para toda a categoria. Só não apresentaram a proposta de AUMENTO dos salários e de outras cláusulas de natureza econômica. Acompanhe um resumo.

1- SALÁRIOS E TÍQUETES ALIMENTAÇÃO – Como já dissemos, ainda não apresentaram índices, o que acontecerá na próxima segunda-feira, dia 18 de Maio. Mas já disseram QUE NÃO PODERÃO OFERECER AUMENTO, porque as empresas estão mal financeiramente. Também falaram que NÃO PODEM UNIFICAR SALÁRIOS e valores dos TÍQUETES ALIMENTAÇÃO, porque as empresas têm condições operacionais e financeiras muito diferentes.

2 – JORNADA DE TRABALHO – Apresentaram um posicionamento que NÃO MUDA NADA do que temos hoje, ou seja, MANTENDO O TACÓGRAFO como controle de jornada, MANTENDO O BANCO DE HORAS anual, MANTENDO A POSSIBILIDADE DS EMPRESAS MUDAREM a jornada de acordo com seus interesses, garantindo que atividades feitas por vocês 10 MINUTOS antes ou depois da jornada normal, NÃO GERA HORA-EXTRA, considerando como tempo de trabalho remunerado apenas O TEMPO DE VOLANTE e não o tempo que ficamos a disposição das empresas, restrição na apresentação de ATESTADOS MÉDICOS.

3 – DEMAIS CLÁUSULAS – No restante das reivindicações, as repostas não foram melhores. Poucos avanços em relação ao que já temos e na maior parcela dos casos uma mera repetição do que a lei já garante de direitos, o que não é muito. E por fim, ainda colocam cláusulas penais irrisórias, ou seja, as MULTAS BAIXÍSSIMAS quando as empresas não cumprirem o acordo.