Atento à saúde dos servidores, Sintrajusc contrata médico para assessorar direção nas discussões sobre volta ao trabalho presencial


O Sintrajusc tem acompanhado de perto a discussão de volta ao trabalho presencial, ainda sem data marcada, para garantir a preservação da saúde dos servidores e seus familiares. O Sindicato contratou o médico do trabalho Roberto Ruiz (na foto) para assessorar e subsidiar a direção nas discussões já em curso nos tribunais.

O Sindicato participa dos grupos que estudam a retomada presencial no Trabalho e na Federal e requereu o mesmo na Eleitoral, onde ocorreu, dia 20, reunião com o presidente, desembargador Jaime Ramos, em função da manutenção das eleições municipais e do planejamento para a retomada das atividades presenciais.

Na reunião, Ruiz avaliou o Plano de Retomada do Tribunal e fez colocações que embasam a preocupação do Sintrajusc tanto na Eleitoral quanto nas demais justiças. Ele destacou que, neste momento, o Brasil não pode ser visto como um todo, pois o Sul do país, em especial Santa Catarina, vive seu pior momento na história da pandemia, considerando que se trata de uma doença que apresenta um padrão de contaminação sazonal, destacando que o planejamento para o retorno ao trabalho presencial deve estar articulado com alguns indicadores, como a taxa de ocupação de leitos de UTI e taxa de risco de transmissão.

Destacou ainda que, em geral, os trabalhadores usam transporte coletivo para ir e vir do trabalho, e que este é um dos maiores focos de transmissão e contaminação das pessoas. Ainda que uma parcela considerável dos servidores tenha transporte próprio, esta pode não ser a realidade dos trabalhadores terceirizados que trabalham nos Tribunais e circulam nos setores, outro motivo pelo qual insistiu o médico na importância de se pensar sobre esta questão.

Outro fato destacado foi que, em trabalhos administrativos, é fundamental manter o mínimo de distância de 2 metros entre os servidores, medida que precisa ser efetivada. Ele também alertou para a necessidade de constante atenção às taxas de ocupação de leitos e de transmissão do vírus, que variam nas diferentes regiões do estado. Tanto Ruiz quando a direção do Sindicato ressaltaram a questão da transparência da informação, que é o que dá mais segurança aos trabalhadores, destacando experiência desse tipo de formação via EaD da UFSC, que trouxe resultados positivos.

Ruiz já assessorou o Sindicato em 2008, quando foram realizados os Seminários Regionais e o Estadual sobre Carreira, Redução de Jornada de Trabalho e Saúde. Para a próxima semana, o Sindicato está agendando uma conversa ao vivo com o médico.