Moção de repúdio à desembargadora do TRF/SP


Os/as trabalhadores/as do Judiciário Federal e Ministério Público da União, reunidos no II Encontro Nacional sobre Plano de Carreira, realizado na cidade de Brasília-DF, nos dias 8 e 9 de novembro de 2008, REPUDIAM as atitudes autoritárias e reacionárias da Desembargadora Marisa Santos, coordenadora dos Juizados Especiais Federais no Tribunal Regional Federal da 3ª Região que, através da odiosa prática do ASSÉDIO MORAL e da truculência humilhou e achincalhou inúmeros servidores do TRF-3ª Região, chamando-os de “imbecis”, “cretinos”, dentre outras palavras agressivas, bem como constrangeu servidora portadora de diabetes, ao afirmar que de três em três hora tal servidora suspendia suas atividades para se alimentar, em função da sua doença.
Como se não bastasse, no afã de exibir o seu reacionarismo e desrespeito para com os servidores, a Desembargadora Marisa Santos utilizou o poder que tem na instituição para humilhar e desancar com uma parte dos servidores que ocupam funções comissionadas nos JEF’s, questionando a capacidade e o compromisso dos colegas, expondo-os à execração pública, numa caracterização do ASSÉDIO MORAL, prática nefasta que vem sendo combatida pelo conjunto dos sindicatos representativos da categoria, a exemplo do Sintrajud/SP, neste caso concreto.
O ato abusivo da Desembargadora Marisa Santos mostra – mais uma vez – a permanência de uma cultura autoritária que verificamos em todas as instâncias do Judiciário Federal e MPU como uma violência contra o servidor público causadora de doenças de diferentes tipos, amplamente registrados em pesquisas que o Sintrajud/SP e outros sindicatos têm realizado, inclusive com várias ações judiciais buscando a proteção da saúde e dos direitos dos servidores.
Mesmo estarrecidos com as atitudes da Desembargadora Marisa Santos o conjunto dos trabalhadores do Judiciário Federal e MPU continuará a sua luta pela construção de relações saudáveis e democráticas no interior dos órgãos em que trabalham, REPUDIANDO toda e qualquer prática violenta e assediadora contra os servidores em qualquer região do país.
Brasília (DF), 9 de novembro de 2008.