Nota de Repúdio


O SINTRAJUSC se solidariza com a situação enfrentada pelos colegas da Subseção Judiciária de Santo Ângelo (RS), a qual mostra a forma como os servidores estão sendo tratados pelas Administrações dos tribunais. Entenda o caso:
 
NOTA DE REPÚDIO



Os servidores públicos da Subseção Judiciária de Santo Ângelo vêm, de público, formalizar veemente repúdio ao despacho/linha de ação proposta pela Corregedoria e Magistrados da Subseção de Canoas, protocolado no SEI nº 0006670-73.2014.4.04.8000



Em suma, propõem o deslocamento de uma das três varas da Subseção de Santo Ângelo para Canoas, em plano de saneamento para as dificuldades enfrentadas pela subseção. Não queremos, de modo algum, ignorar, muito menos diminuir ou discordar das dificuldades enfrentadas pela Subseção de Canoas, problemas estes que de muito já foram realidade aqui em Santo Ângelo, e são realidade em tantas outras subseções também.

A Subseção Judiciária de Santo Ângelo é conhecida pelo profissionalismo, dedicação e qualidade dos seus servidores, motivos estes que explicam os ótimos números alcançados por nós. Não somos a subseção com maior número de distribuição de processos, mas tampouco somos a de menor número. Também temos problemas com falta de servidores, falta de juízes, infraestrutura precária e tantos outros problemas similares aos das outras subseções, inclusive o de excesso de demanda, que exigiu até bem pouco tempo atrás, infindáveis horas de dedicação com extraturnos dos servidores.  Realmente nossa eficiência se centra na qualidade do serviço, que está em vias de ser “premiado” com a perda de uma de nossas varas.

Ademais, o simples dado de números de processo em tramitação, por si só, conforme explicitado no despacho da Corregedoria, não justifica a necessidade ou dispensabilidade de uma vara. O que é certo é que a perda de uma vara em nossa subseção acarretará num prejuízo incalculável na estrutura, qualidade e números galgados por nós a duras penas.

Impossível deixar de manifestar o abalo emocional que sofreram os servidores. Somos pessoas, com família, cônjuge, filhos, cuja transferência de lotação não implica em fazer uma mala e pegar a estrada. Moramos em Santo Ângelo, vivemos aqui. 

Qual a gerência onde a solução dos problemas da subseção de Canoas, como da forma proposta, implica na criação de novas problemáticas, de ordem laborativa e emocional, aqui em Santo Ângelo? Se a justificativa passa pela instalação de uma nova vara na cidade de Ijuí, por que então não reivindicar esta e não uma vara já instalada? Não pretendemos aqui dar a solução, tampouco diminuir a necessidade de atitudes a serem tomadas frente aos problemas de Canoas, apenas repudiamos o descaso e a visão com que estamos sendo tratados pela Corregedoria e Administração do foro.

Por fim, afirmamos nossa posição contrária ao deslocamento de uma das nossas varas a outra e qualquer subseção judiciária.

Documento segue assinado pelos servidores lotados na Subseção Judiciária de Santo Ângelo.



Santo Ângelo, 11 de junho de 2014.