Noam Chomsky assina manifesto contra expulsões no PT


Por Marcela Cornelli

Leia abaixo matéria da Agência Carta Maior sobre um abaixo-assinado encabeçado por Noam Chomsky contra as expulsões no PT e a favor da senadora Heloisa Helena.

O lingüista e ativista norte-americano Noam Chomsky encabeça um abaixo-assinado organizado pelo jornal Socialist Resistance, de Londres, contra as expulsões de parlamentares do PT. Além de Chomsky, assinam o manifesto Kean Loach (cineasta inglês), Michael Albert (editor da Znet), e Robin Blackburn (da revista New Left Review), entre outros. O abaixo-assinado é acompanhado de um manifesto em apoio à senadora Heloísa Helena e aos deputados João Batista Araújo (Babá), Luciana Genro e João Fontes.

Os signatários do manifesto entendem que as expulsões enviarão um sinal à esquerda mundial de que “o PT perdeu a sua orgulhosa tradição de democracia, de pluralismo e tolerância”.

Leia abaixo o texto do documento:

“Nós o subscrevemos, como milhões em todo o mundo, que compartilharam da alegria do povo brasileiro ano passado, quando Lula foi eleito presidente do Brasil. Após mais de uma década de políticas neoliberais que devastaram os povos do mundo; após mais de quatro anos de um movimento novo, diverso, internacional, que diz que um outro mundo é possível – no qual Lula, o PT e os Fóruns Sociais Mundiais de Porto Alegre desempenharam um papel crucial – parecia que finalmente haveria uma chance de mostrar que haveria uma alternativa.”

“É claro que as circunstâncias são difíceis, o legado é pesado, e o tempo foi curto. Mas é com uma profunda surpresa e desânimo que nós vemos que o PT está agora considerando expulsar três de seus membros mais destacados do Congresso, por se oporem publicamente às reformas da Previdência do governo. Não é o nosso objetivo aqui expressar uma opinião sobre o detalhe das políticas do governo brasileiro. Porém, nós sabemos que a reforma da Previdência, não somente na América Latina, mas também aqui na Europa e em toda parte, tem sido uma questão chave que opõe os governos neoliberais e o FMI aos movimentos organizados dos trabalhadores. Apenas um dia depois do PT decidir iniciar o processo disciplinar contra estes três membros da Câmara dos Deputados, milhões de trabalhadores na França e na Áustria fizeram atos contra a reforma da Previdência em seus países. Nós compreendemos também que o próprio PT se opôs a reformas da Previdência similares, quando propostas pelo governo anterior, de Fernando Henrique Cardoso.”

“Parece-nos, conseqüentemente, muito grave que o diretório do PT esteja estudando agora a punição drástica contra aqueles que continuam a defender as políticas tradicionais do PT. Claro que, como falou Emir Sader, do Conselho Internacional do Fórum Social Mundial, o governo Lula tem o direito de mudar sua visão sobre tais questões, mas punir aqueles que não mudaram sua opinião seria como mandar uma mensagem terrível para o mundo. Para aqueles milhões de trabalhadores nas ruas na França e na Áustria, e para os muitos outros milhões que se mobilizaram contra o neoliberalismo e a guerra, isso soará como: “desculpem, nós não nos importamos com tudo aquilo, nós nos decidimos que realmente não há alternativa”. Isso sugerirá também que o PT perdeu a sua orgulhosa tradição de democracia, de pluralismo e tolerância.”

“Nós, portanto, conclamamos que você repudie qualquer expulsão e reafirme o papel do PT como uma esperança para todos nós ao redor do mundo, que queremos trabalhar com você para realizar nosso sonho comum – de que um outro mundo é certamente possível.”

O manifesto, em inglês e português, e o abaixo assinado estão disponíveis nos sites da Socialist Resistance (www.socialistresistance.net) e do recém-criado Movimento dos Amigos de Heloísa Helena (www.amigosdaheloisa.com.br).

A situação dos parlamentares petistas será definida entre os dias 13 e 14 de dezembro, quando ocorre reunião do Diretório Nacional do PT, em São Paulo.

Fonte: Agência Carta Maior