Justiça Estadual tem seis juízes para cada 100 mil habitantes, diz CNJ


 
 Estudo realizado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça), em 2007, mostra que há carência de juízes em todas as instâncias da Justiça –Federal, Estadual e do Trabalho. Pela pesquisa, há dois anos, havia um total de 67.721.930 processos em tramitação no país. Deste total, 80%, o equivalente a 54,8 milhões de ações, se referem à Justiça Federal –que registra o principal congestionamento no país.
 
 Segundo o estudo, existem 15.623 magistrados em atividade no país. Os piores dados se concentram na Justiça Estadual, mas há Estados, como Pernambuco e Maranhão, que são campeões em congestionamento de processos à espera de julgamento no país. Já o Distrito Federal e Rondônia registram a situação mais confortável, com o maior quantidade de magistrados para cada grupo de cidadãos.
 
 Na Justiça Estadual, a média é de seis juízes para cada grupo de 100 mil pessoas, mas esse número reduz radicalmente quando se trata da Justiça Federal. Na Justiça Federal, a média é de 0,8 magistrado para cada 100 mil cidadãos.
 
 As maiores taxas de congestionamentos estão em Pernambuco e Maranhão, enquanto as menores estão no Distrito Federal e em Rondônia.
 
 No caso do Distrito Federal e Rondônia, são 12 juízes para cada 100 mil habitantes, enquanto em Pernambuco e Maranhão, a proporção é de quatro magistrados para o mesmo número de cidadãos.
 
 O total de gastos com o Judiciário, sem incluir os tribunais superiores, é de R$ 29,2 bilhões. Segundo a pesquisa, na Justiça Estadual as despesas são da ordem de R$ 16,6 bilhões, enquanto no Trabalho os gastos são de R$ 8,4 bilhões e na Justiça Federal as despesas são de R$ 4,6 bilhões.
 
Fonte: Folha Online