Entidades nacionais de servidores reforçam mobilizações para pressionar o governo


As entidades nacionais que compõem a Cnesf realizaram na tarde de ontem uma coletiva com a imprensa para explicar os motivos do Dia Nacional de Lutas dos servidores públicos federais. Os dirigentes sindicais também falaram sobre a reunião que tiveram na quarta-feira [17] com o secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça.
Na sede da Fenafisp, a coletiva contou com a presença de representantes dos servidores do Judiciário Federal e Ministério Público da União, do Banco Central, da Seguridade Social, do IBGE, do Executivo, dos professores das universidades federais, dos professores e técnicos administrativos das escolas técnicas e Cefets e dos fiscais da Previdência. A diretora Maria da Graça Sousa representou a Fenajufe na coletiva.
Os dirigentes sindicais ressaltaram que até o momento o governo não apresentou nenhuma proposta para a bancada sindical e que na reunião de quarta-feira o secretário de Recursos Humanos deixou claro que não há qualquer previsão orçamentária para atender as reivindicações da Campanha Salarial. Sérgio Mendonça reafirmou a política de reajuste diferenciado para corrigir as distorções entre as diversas categorias, mas não apresentou os parâmetros que o governo irá trabalhar para definir essa proposta.
A diretora da Fenajufe, Maria da Graça Sousa, ressaltou que quando o governo apresenta os 8,6 bilhões para gastos com os servidores, na verdade também está incluindo o cumprimento de acordos feitos em anos anteriores, que já estão altamente defasados. Ela avalia que pela fala do representante do Ministério na reunião de ontem, está claro que o governo ainda não tem uma política de correção das distorções salariais, como seus representantes argumentam ao defender o reajuste diferenciado.
Os dirigentes informaram que, diante do impasse nas negociações no Planejamento, a bancada sindical vai pedir audiências com os oito ministros que participaram da instalação da Mesa Nacional de Negociação Permanente, em 2003. Nesses encontros, apresentarão as reivindicações e a insatisfação das entidades nacionais em relação à política adotada pelo governo. Também pedirão uma reunião com o deputado federal Gilmar Machado [PT/MG], relator da proposta orçamentária para 2006.
No próximo dia 22 de maio, representantes de todas as categorias participarão da Plenária Nacional para fazer um balanço do Dia Nacional de Lutas e definir os próximos rumos da Campanha Salarial de 2005. Os servidores farão primeiro uma avaliação da última reunião da bancada sindical com o governo para, em seguida, deliberarem sobre o calendário de mobilizações, como o indicativo de greve geral a partir do dia 02 de junho. Em algumas categorias, como a do INSS e da Seguridade Social, da base da Fenasps, já foi aprovado o início da greve por tempo indeterminado no dia 02 de junho.

A mobilização nas outras categorias

Além da Fenajufe, as outras entidades nacionais também indicaram às bases a participação no Dia Nacional de Lutas. A maioria, como no Judiciário Federal, realizou atos públicos e assembléias gerais como parte do calendário da Campanha Salarial. Algumas, no entanto, conseguiram parar os trabalhos nos Estados.

Veja o quadro*:

Andes – Ainda não tinha o balanço das mobilizações, mas em algumas universidades os professores aprovaram paralisação de 24 horas. Em todos os Estados, foram realizados atos públicos e assembléias de avaliação.
Condsef – O Ibama parou hoje em todo o país. No Incra, a previsão é de que a paralisação de 24 horas tenha atingido cerca de 90% em nível nacional. Os servidores da Funai também aderiram à paralisação de 24 horas, que em Brasília atinge quase 100%. Nos Ministérios, no entanto, não houve greve, apenas atos públicos.
Sinasefe – Paralisação de 24 horas no Colégio Pedro II no Rio de Janeiro e em alguns Cefets e escolas agrotécnicas. Nos demais Estados, houve atos e assembléia geral.
Assibge – A sede do IBGE no Rio de Janeiro, onde se concentra a maior base, houve paralisação de 24 horas com quase 100% de adesão. Nos demais Estados, a categoria realizou ato público.
Fenafisp – Os fiscais da Previdência participaram de manifestações e realizaram assembléia geral para discutir a Campanha Salarial.

* Esse balanço parcial e é somente das entidades que estavam presentes na coletiva com a imprensa. O balanço final do Dia Nacional de Lutas em todo o funcionalismo será repassado na reunião de amanhã da Cnesf. O levantamento da Fenajufe está em matéria separada neste sítio.

Fonte: Fenajufe (Leonor Costa)