Ato denunciou privatização dos serviços públicos


Na manhã desta terça-feira, dia 30 de setembro, mais de 15 entidades do movimento sindical e popular unidas no MUCAP se reuniram em frente ao Hospital Universitário da UFSC, para realizar um ato unificado contra as privatizações e em defesa do Serviço Público. Cerca de 200 pessoas protestaram em frente ao HU e depois seguiram em passeata até o Cepon – Centro de Pesquisas Oncológicas.

O Movimento Unificado contra a Privatização reúne diversas entidades sindicais, estudantis, populares e sociais e está sendo reavivado para criar uma grande corrente em defesa do que é do povo. O projeto do governo federal que privatiza o serviço público – o PL 92/2007 – está prestes a ser votado na Câmara dos Deputados. Tal projeto visa transformar instituições – como o HU e até a própria UFSC – em Fundações Estatais de Direito Privado.

O governo estadual privatizou o Hospital Materno-Infantil de Joinville e também não respeitou a vontade da sociedade, dos pacientes e dos servidores do HEMOSC e do CEPON, que lutaram quase três anos para evitar a privatização dessas instituições, que eram 100% SUS. A administração das duas instituições foi entregue para uma entidade privada, a FAHECE, chamada de “organização social”.

E essa privatização já provoca o estrago na vida do povo catarinense. A cada dia, cresce no Cepon o atendimento através de planos de saúde privados. Muitos pacientes do SUS, que antes eram atendidos no Cepon, agora estão sendo encaminhados às emergências de outros hospitais ou largados à própria sorte.

ALTO RISCO PARA O HU
É isso que está sendo preparado para acontecer em breve no HU. A Portaria nº 04/MPOG/2008, já em vigor, separa os HUs da universidades, para privatizá-los em seguida, com a sua transformação em Fundação Estatal de Direito Privado. A tal portaria já desvincula o pessoal do Hospital Universitário da folha de pagamento da UFSC, além de providenciar o inventário dos bens do HU. Se for aprovado o PLP-92, as universidades também estarão na lista das privatizações mascaradas de fundações, assim como escolas, postos de saúde, instituições de pesquisa, tecnologia, meio ambiente, serviço social, etc.