Advogados Públicos Federais paralisam atividades em todo o País por reajuste salarial


Cerca de 400 Advogados Públicos Federais – Advogados da União, Procuradores Federais, Procuradores do Banco Central e Procuradores da Fazenda Nacional – além de Defensores Públicos da União, concentraram-se hoje, dia 17/01, às 11h30, em frente ao Palácio do Planalto, com faixas e cartazes, para deflagrar a greve geral dessas carreiras em todo o País.
 
O Presidente Lula estava no Palácio, recebendo naquele horário o Ministro das Comunicações, acompanhado do presidente da Telecom Mundial Itália, e deve ter sentido a manifestação pública pelo não cumprimento do Acordo firmado em 01 de novembro de 2007, entre uma Representação Governamental (AGU e MPOG) e os dirigentes das entidades de classe da área jurídica da União.
 
O Presidente do Conselho Federal da OAB, Cezar Britto, em nota oficial, cobrou hoje do presidente Lula o cumprimento do acordo remuneratório com as carreiras jurídicas da União.
  
Greve em Brasília
O primeiro dia de greve em Brasília iniciou-se com uma concentração dos Advogados e Defensores Públicos Federais junto ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no Bloco K da Esplanada, às 10h, com carro de som, foguetes e faixas alusivas ao movimento. Uma delegação de PFNs e outros colegas de Goiás esteve presente.
 
Em breve discurso, o presidente do Forum e do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (SINPROFAZ), João Carlos Souto, disse que a deflagração da greve foi adotada, como instância final, não só pelo descumprimento do Acordo Salarial (reajuste do subsídio constitucional) como pela verdadeira desmoralização da Advocacia Pública Federal, cujos membros, integrantes das Funções Essenciais à Justiça, percebem hoje a metade da remuneração dos membros do Ministério Público e da Magistratura, e o que é mais greve, 30% a menos que um Delegado da Polícia Federal e um Delegado da Polícia do Distrito Federal.
 
Os manifestantes, acompanhados de uma fanfarra, seguiram a pé em direção ao Ministério da Fazenda, com outra parada, para sensibilizar os dirigentes da Pasta e da Procuradoria da Fazenda Nacional, localizada no mesmo prédio. Dois quilômetros adiante, chegaram ao Palácio do Planalto, onde oficialmente teve início a greve geral.
 
Nos estados, as manifestações públicas dos membros das carreiras jurídicas ocorreram junto aos Tribunais Regionais Federais, aos Fóruns da Justiça Federal e Seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil.
Fonte: Assessoria de Comunicação do Fórum