– Abertura da XVI Plenária Nacional reforça importância da unidade


A Fenajufe deu início no final da tarde de sexta-feira [03/05], no Rio de Janeiro, à XVI Plenária Nacional, com a presença de mais de 200 servidores do Judiciário Federal e do MPU de vários estados do país. Abrindo o maior encontro da categoria neste ano de 2011, os integrantes da mesa de abertura defenderam que somente a unidade da categoria será capaz de garantir a aprovação dos projetos que revisam seus salários [PLs 6613/09 e 6697/09] e derrubar a propostas que retiram direitos dos servidores.
 
Roberto Ponciano, diretor do Sisejufe-RJ [sindicato anfitrião da Plenária], saudou todos os servidores presentes, afirmando que o Rio de Janeiro não é a cidade apenas do samba, mas também de resistência e de luta dos trabalhadores. “Temos muito ainda o que avançar, mas é preciso fazer justiça ao Rio de Janeiro pelo seu histórico de luta. É a cidade das Diretas Já, da luta pela anistia e de tantas outras que marcaram a história do nosso país. A cidade abraça vocês para a alegria, pro samba e pra luta”, ressaltou Ponciano, que também destacou a importância da união de todos os servidores.
 
O representante da CSP/Conlutas [Central Sindical Popular], Heitor Fernandes, um dos integrantes da mesa de abertura da XVI Plenária Nacional da Fenajufe, pontuou que todas as entidades devem atuar para combater a política de ataques aos trabalhadores, independente de governos e patrões. De acordo com o dirigente sindical, que também atua na Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios [Fentect], o momento exige da classe trabalhadora uma plataforma única para barrar as políticas de cortes, arrocho e retirada de direitos. “A nossa entidade vem atuando, desde a sua fundação, para combater a política dos últimos governos. Os trabalhadores, de todas as categorias, precisam estar unidos para enfrentar os ataques”, finalizou.
 
Representando a CTB [Central dos Trabalhadores do Brasil], Marcos Santos, também coordenador da Fenajufe, avaliou que o momento exige que todos os servidores do Judiciário Federal e do MPU estejam unidos para conquistar o reajuste salarial. Para ele, o grande desafio dos três dias da Plenária Nacional da Fenajufe é construir uma proposta unitária [independente da forma, se PCS ou subsídio] e que seja capaz de mobilizar a categoria para conquistar seu reajuste salarial. “Sabemos o quanto o capitalismo é perverso e, portanto, as ações de qualquer governo nesse sistema será contra a classe trabalhadora. Então, o nosso maior desafio, para conquistar qualquer projeto a nosso favor, é construir a unidade da categoria”, enfatizou Marcos.
 
A coordenadora da Fenajufe Jacqueline Albuquerque, que falou em nome da CUT nacional, destacou a atuação da Central contra todos os ataques voltados aos trabalhadores. Ela lembrou as atividades que a CUT promoveu no início do ano em Brasília, com outras entidades dos servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada, que tiveram o objetivo de organizar os vários setores da classe para campanhas unificadas contra a retirada de direitos. A coordenadora da Fenajufe e dirigente nacional da CUT também destacou a importância da unidade dos servidores para garantir a aprovação dos planos de cargos e salários. “O ano começou com duras medidas, como o corte de 50 bilhões, que certamente atingirá os servidores públicos. Além disso, também há os projetos que retiram direitos. Durante esses três dias, precisamos definir estratégias de lutas para impedir o avanço dessas propostas e conquistar o nosso PCS”, alertou Jacqueline.
 
Servidor do TRT da 1ª Região e ex-dirigente da Fenajufe, o deputado federal Roberto Policarpo [PT-DF] também foi um dos participantes da mesa de abertura da XVI Plenária Nacional. Além de saudar todas as delegações presentes, Policarpo também dedicou uma fala especial ao Sisejufe-RJ, que em agosto deste ano completa 22 anos de luta em defesa dos trabalhadores do Judiciário Federal do Rio de Janeiro. Na mesma linha de seus colegas da Federação, Policarpo também considerou fundamental que a Planária Nacional consiga construir a unidade necessária para levar a categoria à vitória. “Em relação ao PCS, esperamos que até domingo seja possível discutir todas as possibilidades para que possamos sair daqui com a unidade. Unidade essa que seja capaz de mobilizar todos os servidores para a construção da greve, pois sabemos que somente com um movimento forte conquistaremos o nosso reajuste salarial”, afirmou o deputado, que atualmente é relator do PL 6613/09 na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara.
 
Em nome da Fenajufe, o coordenador geral Zé Oliveira argumentou que a XVI Plenária Nacional acontece em um momento bastante delicado para a categoria e para os trabalhadores. Nesse sentido, ele ressaltou que há uma pauta específica, que é a aprovação dos PCSs, e uma pauta geral, contra todas as medidas que ameaçam os direitos do funcionalismo público. Para ele, esse momento exige a definição de ações que sejam capazes de enfrentar os desafios apontados para os trabalhadores. “Precisamos construir aqui uma luta efetiva e unificada para travarmos embates em defesa do nosso PCS e contra os ataques do governo. O nosso grande desafio é construir democraticamente propostas unitárias em defesa dos trabalhadores”, disse Zé.
 
Entidades da Coordenadora do Cone Sul prestigiam abertura da Plenária
A mesa de abertura da XVI Plenária Nacional da Fenajufe contou com a presença de dois dirigentes sindicais das entidades que, juntamente com a Fenajufe, participam da Coordenadora dos Trabalhadores do Judiciário do Cone Sul: Raul Vazques, representando a Associação dos Funcionários do Judiciário do Uruguai [AFJU]; e José Luiz Ronconi, da Federação dos Judiciários Argentinos [FJA].
 
Os convidados estrangeiros, militantes sindicais em seus países, saudaram os servidores presentes na Plenária e destacaram a importância da atuação conjunta das entidades sindicais da América Latina contra os projetos que ameaçam os interesses dos trabalhadores.
 
“Seguimos lutando por mudanças efetivas na vida dos trabalhadores da América Latina e do mundo. Por isso, destaco o importante trabalho desempenhado pela Fenajufe e desejo uma ótima plenária para todos”, afirmou Raul Vazques.
 
“Desde 1990 compartilhamos a luta na Coordenadora do Cone Sul. Precisamos continuar unidos, fortalecendo o movimento sindical na América Latina, debatendo a conjuntura para construirmos uma luta que seja capaz de garantir a emancipação dos trabalhadores e a superação do capitalismo”, enfatizou José Ronconi.
 
Também participaram da mesa de abertura da XVI Plenária Nacional os coordenadores gerais da Fenajufe Ramiro López e Saulo Arcangeli.
 
Homenagem ao companheiro Alê
A abertura da XVI Plenária Nacional da Fenajufe teve um momento que emocionou os delegados e observadores presentes. Foi a homenagem ao diretor do Sintrajufe-RS e servidor do TRF da 4ª Região, Alexandre Junqueira, que faleceu há exatamente um ano, em 3 de junho de 2010, em Porto Alegre. Alê, como era conhecido por todos os colegas e amigos, foi lembrando pela alegria e companheirismo que contagiavam a todos que conviviam com ele.
 
A amiga Bárbara Kern, diretora do Sintrajufe-RS, leu a poesia “Poema ao amigo”. Em seguida, Roberto Ponciano encerrou a homenagem, com um texto elaborado por ele e dedicado ao amigo Alê. Um painel de fotografias foi transmitido, com a música de Gonzaguinha ao fundo: “O que é, o que é!”.
 
Fonte: Leonor Costa (Fenajufe), do Rio de Janeiro