Servidores votam por fortalecimento da Greve


Em Assembleia realizada nessa quinta-feira, 11, os servidores da Justiça Federal aprovaram o fortalecimento da Greve pelo reajuste salarial. Nessa sexta os servidores grevistas irão passar nos setores para chamar mais colegas para a Greve. Ontem, cerca de 150 estavam paralisados. Foram dados os informes sobre a sessão do Senado desta quarta-feira (10), que foi um dia de mobilização e de muita espera para os servidores do Judiciário Federal. Nessa sexta, dois diretores do Sindicato irão ao Norte do estado para conversar com os servidores.
 
Esm SC estão em Greve a Justiça Federal em Florianópolis, Lages, Blumenau, Jaraguá do Sul, Itajaí, Rio do Sul, Joinville, Brusque (paralisação diária de 1 hora), Mafra, Caçador, Chapecó (paralisação diária de 1 hora), Tubarão (paralisação diária de 1 hora) e Criciúma. A JT de Palhoça parou. Servidores da VT de Indaial se uniram nesta quinta com os servidores grevistas em Blumenau.
 
Mesmo com a forte pressão exercida pela Fenajufe e sindicatos filiados, em Brasília, e com a adesão à Greve por tempo indeterminado em vários estados, o governo, mais uma vez, não atendeu à reivindicação da categoria e adiou a votação do PLC 28/2015, que reestrutura a carreira e revisa o salário dos servidores. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDBAL), atendeu a um pedido feito por telefone pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy.
 
O esforço das lideranças sindicais da categoria para garantir a aprovação do projeto foi grande, com o apoio de alguns senadores, que defenderam a votação da matéria. No entanto, a orientação da Liderança do Governo e da Presidência do Senado é pautar o projeto em plenário somente no dia 30 de junho. 
 
Ainda segundo informações repassadas ao coordenador geral da Fenajufe Adilson Rodrigues, pelo diretor geral do STF, Amarildo Viana, o PLC foi retirado da pauta com o aval do Supremo, que tinha a intenção de ganhar pelo menos uma semana para negociar o acordo com o governo. O Palácio do Planalto segue com a tática da “enrolação” para impedir que os projetos sejam aprovados ainda neste mês. A orientação do Comando Nacional de Greve, portanto, é intensificar a Greve por tempo indeterminado nos próximos dias, para forçar a cúpula do Judiciário a buscar uma alternativa junto ao governo federal que seja favorável aos servidores.
 
Mais adesão ao movimento
 
Em reunião nessa quinta-feira na sede da Fenajufe, coordenadores da Federação e um representante de cada estado em Greve avaliaram que a tarefa central da categoria no momento é aumentar o movimento em nível nacional, garantindo a adesão à Greve daqueles estados que ainda não paralisaram as atividades.
 
No momento, já há Greve no Paraná (o primeiro estado a deflagrar o movimento), Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Minas Gerais, Amapá, Tocantins, Piauí e São Paulo. Outros estados aprovaram novas
paralisações, com assembleia para votar o indicativo de Greve por tempo indeterminado. Até a próxima semana, a orientação do Comando Nacional de Greve é que esse quadro de adesões aumente ainda mais. Na avaliação dos dirigentes sindicais que participaram da reunião do Comando Nacional, é necessário estabelecer, a partir do movimento grevista, uma correlação de forças que seja capaz de pautar e aprovar o projeto do Judiciário e antes do dia 30 de junho, prazo estabelecido pelo governo.
 
A Greve também precisa ser forte o suficiente para forçar uma negociação efetiva entre os poderes, cujo processo ao final culmine no acordo orçamentário necessário à implementação do reajuste salarial previsto nos projetos. Segundo a maioria das intervenções, a categoria não pode aceitar a enrolação por parte do Palácio do Planalto e a intenção de jogar as negociações para depois do recesso parlamentar, vinculando o processo às demais categorias dos servidores federais.