Sede social do Campeche permanecerá fechada enquanto houver risco para contaminação por Covid-19


A coordenação do Sintrajusc, após várias reuniões, decidiu manter a sede social do Campeche fechada até 30 de abril. A direção teme pelas consequências da reabertura em face da situação da pandemia de Covid-19 em Santa Catarina. Nesse sentido, também foi solicitado novo parecer do médico do trabalho Roberto Ruiz, que está assessorando a direção nos temas que se referem à preservação da saúde e segurança dos servidores em função da pandemia.

Enfrentamos um recrudescimento da pandemia no nosso país de maneira geral, com aceleração de novos casos e óbitos, e taxa de transmissão que sinaliza que a pandemia está fugindo ao controle das autoridades sanitárias no momento.

Temos cobrado insistentemente das Administrações que cuidem da saúde dos servidores e mantenham o trabalho remoto. Assim, avaliamos que a reabertura da sede nesse momento seria contraditória com essa postura de cuidado, pois não temos como garantir que nossos filiados e filiadas e suas famílias, assim como os funcionários da sede social, não se contaminem no espaço da sede, por maiores que sejam as precauções, dadas as características do vírus, com riscos de que usuários da sede levem o vírus em seu organismo e ainda contaminem outras pessoas. Em relação aos funcionários, lembramos que, em caso de acometimento por Covid-19, deverá haver reconhecimento de tal doença como relacionada ao trabalho, devendo então o Sintrajusc assumir algumas obrigações legais com relação a tal fato.

A decisão foi tomada depois de muita conversa e não foi fácil. Nesse sentido, contamos com a compreensão dos associados porque queremos, com essa decisão, proteger a saúde de quem a gente quer bem.

Veja abaixo o parecer do médico do trabalho Roberto Ruiz:

Parecer-sobre-uso-sede-de-campestre-praia.pdf (12 downloads)