Painel do V Congrejufe detalhou posições sobre reformas sindical e trabalhista


Por Hélcio Duarte Filho
Jornalista SINTRAJUD/SP que participou do V Congrejufe

Para uns, a proposta de reforma sindical elaborada pelas centrais sindicais, empresários e governo no Fórum Social do Trabalho é um retrocesso na organização dos trabalhadores e uma séria ameaça aos direitos trabalhistas e até ao direito de greve. Para outros, é um avanço, pode ser melhorado e reúne boa parte das propostas históricas da Central Única dos Trabalhadores com relação à organização sindical.

Na mesa do painel sobre reforma sindical, as opiniões trilharam estes caminhos opostos. De um lado, as dirigentes nacionais da CUT Lúcia Reis e Rosane Silva, representando a Articulação Sindical e a CSD (CUT Socialista Democrática) defendiam a participação da Central no Fórum Nacional do Trabalho, o apoio à reforma sindical e que se lute por
mudanças. Do outro, José Luis, o Jorginho, e José Maria de Almeida, o Zé Maria, representando respectivamente a ASS (Alternativa Sindical Socialista) e o MTS (Movimento Por Uma Tendência Socialista), criticavam a participação e propunham a mobilização dos trabalhadores para barrar tal reforma.

Mas, nos discursos dos quase 30 congressistas que se inscreveram para falar sobre o assunto. Ninguém defendeu a proposta elaborada no Fórum Nacional do Trabalho.
Veja, a seguir, trechos das argumentações defendidas por cada um dos debatedores.

MOVIMENTO POR UMA TENDÊNCIA SOCIALISTA
Zé Maria diz que Lula usará “consenso” para atacar trabalhadores

“Está escrito aqui no relatório: as discussões realizadas superaram todas a expectativas. O excesso de consensos obtidos durante os trabalhos dos grupos temáticos foi ampliado pela comissão de sistematização chegando-se a um entendimento sobre todos os itens da agenda proposta pela coordenação do Fórum Nacional do Trabalho, todos. Como é que os companheiros chegaram ao entendimento sobre todos os pontos e agora estão dizendo que as discussões estão em aberto ainda porque tem alguns que nós não concordamos? Isso aqui tem conseqüências políticas. Vocês anotem num caderninho: vai ser entregue no Congresso Nacional a proposta do governo dentro de poucos dias, vocês querem apostar que o Lula vai apresentar esta reforma lá como um consenso da sociedade brasileira?”.

ARTICULAÇÃO SINDICAL
Lúcia defende que os que batem na CUT saiam dela

“Temos acompanhado em diversas plenárias que alguns ao invés de fundar uma outra entidade sindical, ficam por dentro da CUT, batendo nela, pra ver se na hora que rachar mesmo ver se vai ser dado o crédito. Isso não sou só eu que está vendo, qualquer um com olhos atentos que tem participado de reuniões nossas tem verificado isso. Há companheiros muito insatisfeitos com a CUT, mas que não saem dela. Não apresentam uma outra proposta. Nós quando fundamos a CUT defendíamos a liberdade e autonomia sindical. Não foi na executiva que se decidiu pela participação no Fórum Nacional do Trabalho. Foi o que o 8º Congresso da CUT deliberou. O que estamos fazendo é interferir no Fórum, tentar influenciar lá, tentar melhorar a proposta que o governo pode apresentar lá. E não é sem a autorização da base da Central. Foi num congresso de milhares de delegados. Esta reforma sindical não é neoliberal”.

FORTALECER A CUT
Jorginho diz que classe trabalhadora julgará quem está traindo

“A gente está se somando aos conservadores… Lucia Reis, quem está assinado isso aqui com vocês é a Força Sindical e a pior excrescência do sindicalismo que defendeu a favor das privatizações, a favor das reformas. São eles que estão assinado com vocês, não somos nós. Acho melhor você olhar um pouco de lado, com quem vocês estão se aliando. Nós somos amigos, nós estamos tentando salvar a CUT, mas ta difícil, ta muito difícil. A Lúcia está mandando eu criar outra central, nós não vamos criar outra central. Sabe por que, Lúcia? Porque essa Central é fruto de muita luta. E se resolver um dia dividir a CUT, não vai ser separação pacífica não, porque nós vamos querer saber quem vai jogar na lata do lixo, quem vai trair, quem vai ficar do lado dos trabalhadores, a classe trabalhadora é que vai julgar”

CUT SOCIALISTA DEMOCRÁTICA
Rosane diz que há bandeiras históricas nos consensos

“Tem muitos vazios no que foi acordado, e nós vamos lutar sim para ampliar ainda mais o que já foi acordado no Fórum dentro do Congresso Nacional, fazendo a disputa lá dentro. Nós da CSD sempre defendemos dentro da CUT o sindicato por ramo de atividade, sempre defendemos que a CUT tem que ser reconhecida como central sindical. Nós da CSD sempre defendemos, junto com outros companheiros, que tem que ter mesa unitária de negociação. O ramo de atividade está contido nos consensos, a legalização da central sindical está contido nos consensos, o fim do imposto sindical está contido, embora a gente quisesse que acabasse imediatamente. A CSD não está abandonando nenhuma de nossas bandeiras. Já falamos dentro da CUT que para nós a OLT é essência da reforma sindical, se não avançar isso não tem sentido a reforma sindical. Agora, é mais fácil dizer não e se acomodar”.

Fonte: FENAJUFE