Greve dos servidores da base da Condsef deve crescer


O diretor-executivo da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público [Condsef], Pedro Armengol, disse que a greve dos servidores públicos federais deve crescer nos próximos dias. A afirmação foi feita durante entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional. Segundo Armengol, a paralisação começou no dia 2 deste mês, com cerca de 25% de adesão dos servidores de 16 órgãos públicos de todo o país, e deve chegar a 80% até sexta-feira [10].
Entre os órgãos em greve estão os ministérios da Agricultura, da Fazenda, da Cultura e do Trabalho. Também estão parados servidores das Delegacias Regionais do Trabalho, a Fundação Nacional do Índio [Funai] e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária [Incra], entre outros.
Para retornar ao trabalho, os servidores esperam que seja instituído um processo de negociação com agenda e prazo definidos. “A perspectiva é de que esse movimento tenha ressonância dentro do governo e que se concretize um canal efetivo de negociação que supere esse impasse e que a categoria tenha condições de discutir pautada numa agenda concreta”, afirmou.
No primeiro dia de movimento, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, recebeu os grevistas e, segundo o líder dos servidores, sinalizou com a possibilidade de chamá-los para negociações nesta semana. O objetivo seria definir uma agenda para discutir as reivindicações.

Fonte: Fenajufe