Estudo mostra que assentamentos melhoram vida no campo


Por Marcela Cornelli

Lançado no domingo, 25 de abril, na Bienal do Livro, em São Paulo, um estudo amplo e profundo que aponta os benefícios sociais e econômicos gerados com a Reforma Agrária. O livro “Os impactos regionais da reforma agrária: um estudo sobre áreas selecionadas” é resultado de dois anos de pesquisa de uma equipe de 83 especialistas, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, tomando por base uma população de mais de 15 mil famílias assentadas entre os anos de 1985 e 1997.

As conclusões do estudo são que os assentamentos, objetos da pesquisa, elevaram o poder de compra das famílias, dinamizaram o comércio local, melhoraram as condições de alimentação da população assentada, contribuíram para a recomposição dos laços familiares, aumentaram o poder de organização política dos trabalhadores, melhoraram o status social ao ex-sem-terra, diversificaram a pauta agrícola e geraram empregos.

A pesquisa envolveu famílias assentadas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em 39 municípios de nove estados brasileiros e foi realizada entre 2000 e 2001 com recursos do Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (Nead), órgão do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Os assentamentos rurais foram escolhidos de acordo com critérios técnicos como regiões com maior quantidade e densidade de famílias assentadas.

Fonte: Site MST