Em reunião no MPOG, Judiciário defende PCS e cobra posição do governo


BRASÍLIA – 10/06/10 Em conversa por telefone nesta manhã com o secretário de Recursos Humanos do Supremo Tribunal Federal (STF), Amarildo Vieira, o Comando Nacional de Greve, reunido na sede da Fenajufe, obteve a confirmação de que na noite desta quarta-feira, 9 de junho, realmente ocorrera a reunião dos diretores gerais dos tribunais superiores com o diretor executivo do Ministério do Planejamento, João Bernardo. Segundo Amarildo informou aos dirigentes sindicais, os representantes da cúpula do Judiciário reafirmaram a defesa da proposta original do PL 6613/09 e explicaram que não aceitam reduzir os índices da tabela do PCS. Também informaram que os presidentes dos tribunais superiores são contrários que o reajuste salarial seja feito por meio de subsídio.
 
De acordo com Amarildo, após defenderem o conteúdo do PCS e ressaltar que não aceitarão redução na tabela, os diretores gerais sinalizaram com a possibilidade de debater, em última hipótese, um parcelamento com o governo federal.
 
Embora estivesse representando oficialmente o Ministério do Planejamento na reunião, João Bernardo disse que não teria condições de dar uma resposta naquele momento aos diretores gerais. Ele garantiu que ontem mesmo entraria em contato com o ministro Paulo Bernardo para apresentar o resultado da negociação com os representantes do Judiciário. Segundo Amarildo, João Bernardo afirmou que o ministro dará uma resposta oficial ao STF para que, de fato, as negociações avancem. Caso isso não ocorra nos próximos dias, o próprio ministro Cezar Peluso entrará em contato com o ministro do Planejamento cobrando uma solução para este impasse.
 
O Comando Nacional de Greve está reunido neste momento discutindo o resultado da conversa com Amarildo Viera. Na avaliação dos dirigentes sindicais, o governo continua utilizando-se da estratégia de enrolação nas negociações e, ao mesmo tempo, busca esvaziar o movimento grevista da categoria. Por isso, diante desse impasse a orientação continua sendo o fortalecimento das mobilizações, com a adesão daqueles servidores que ainda não aderiram ao movimento, e a manutenção da greve em todos os estados até que haja um resultado favorável às reivindicações dos servidores. Ainda hoje, a Fenajufe publicará mais informações a respeito da reunião do Comando Nacional de Greve.
 
Da Fenajufe – Leonor Costa