CUT pede anistia aos perseguidos políticos


Por Tina Braga

A CUT e a Secretaria de Política Sindical entregaram hoje documento ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) reivindicando anistia aos perseguidos políticos.

Também foi entregue ao Ministério Público Federal (MPF) documento propondo ações para inibir perseguição contra dirigentes sindicais.

A preocupação é firmar ações permanentes em defesa do livre exercício da atividade sindical e consolidar iniciativas pelos sindicatos e estruturas da CUT através de uma estratégia nacional unificada.

A iniciativa foi tomada após debate, realizado ontem e anteontem, entre dirigentes estaduais da CUT, das confederações, federações nacionais, sindicatos, membros da exectuvia nacional da Central.

O presidente nacional da CUT, Francisvaldo Mendes de Souza, observou que “o tema é fundamental para um país que tem como escolha a democracia”.

Uma pesquisa realizada pela Secretaria de Política Sindical da CUT apontou que o quadro de perseguições a dirigentes sindicais se agravou em todo o país e em todos os ramos de atividade econômica.
(Da redação)