Conjuntura internacional: um outro mundo é necessário


Três propostas de resolução sobre conjuntura internacional foram apresentadas no último dia da XV Plenária Nacional da Fenajufe, em Manaus. A primeira proposta foi defendida pelo delegado do Rio Grande do Sul, Fagner Azeredo; a segunda por Marcelo Carlini, também delegado do Rio Grande do Sul; e a última pelo coordenador da Fenajufe e do Sindjuf/PA-AP Ribamar França, que foi aprovada pelos delegados da Plenária.

De acordo com Ribamar, diante dos efeitos da crise os trabalhadores de todo o mundo devem se preparar para enfrentar as políticas de retirada de direitos. Segundo ele, na América Latina governos de vários países têm tentado implementar medidas progressistas, mas sem obter muito sucesso em função das políticas impostas pelos grandes centros financeiros ao resto do mundo.

“Essa crise chega para dizer ao mundo que o capitalismo não tem mais como evoluir. Está estagnado. Reforça-se então o pensamento de que um outro mundo não é possível, mas necessário. […] Diante desse cenário, vemo-nos desafiados a participar da construção de um novo paradigma para a economia, às relações sociais, à política, à cultura, às relações internacionais e o equilíbrio ecológico. Da nossa combatividade e criatividade, nascerá o novo paradigma mundial. Um paradigma baseado nas relações sociais, na democracia e na coletividade”, ressaltam alguns trechos da resolução sobre conjuntura internacional aprovada pelos delegados.

Da Fenajufe – Leonor Costa