Assembléia Popular discute rumos políticos do País em Brasília


Integrantes de mais de 60 entidades – entre movimentos sociais, religiosos e sindicatos – estão em Brasília para debater os rumos políticos do país e unificar uma agenda de propostas para 2006. Temas como a crise da democracia representativa, dívida externa, reforma agrária e ecologia serão discutidos desde esta terça [25] até a sexta [28], durante a “Assembléia Popular: Mutirão por um novo Brasil”. Dez mil pessoas são esperadas para os três dias de atividades, que acontecem no Ginásio Nilson Nelson.
Em entrevista concedida por representantes da coordenação do evento, o presidente da Cáritas Brasileira, Dom Demétrio Valentini, afirmou que o encontro pretende refletir sobre o atual momento político brasileiro, mas que “a discussão deve ser a favor da nação brasileira e pelo futuro do país”. Para ele, “além da crise política é preciso que nos preocupemos com problemas como a miséria e os juros altos”.
Novas formas de participação popular também devem permear as discussões da atividade. Para Sandra Quintela, economista do Instituto de Políticas Alternativas para o Cone Sul [Pacs], alguns aspectos da discussão já estão definidos. Para ela, que também é membro da Campanha pela Auditoria da Dívida Externa, “instrumentos como referendos e plebiscitos são essenciais à democracia”.
Luiz Bassegio, sociólogo e membro da Secretaria Intercontinental do Grito dos Excluídos, também afirmou que “só as eleições não irão resolver os problemas do povo brasileiro. É preciso que a população participe diretamente das questões que irão definir os rumos da sua própria vida”.
Os membros da comissão da Assembléia aproveitaram o espaço da coletiva para reafirmar a independência dos movimentos sociais com relação ao governo.
Mais informações estão disponíveis na página da internet www.assembleiapopular.com.br.

Fonte: Agência Notícias do Planalto