Agora é pra valer: sem greve, não há PCS


A luta dos servidores do Judiciário Federal entra na fase decisiva agora, com a necessidade de adesão firme dos servidores à greve. Até agora, a luta foi pela aprovação do PCS nas várias instâncias por onde o projeto passou – CNJ, Comissão do Trabalho, até a Comissão de Finanças, onde o projeto de lei emperrou. Somente com ações decididas dos servidores – e a greve é a ação de maior impacto – o projeto do PCS será aprovado.
Por isso, conforme decisão da última assembléia da categoria, de acompanhar o calendário de lutas definido pela reunião ampliada da Fenajufe do domingo, 9, a diretoria do Sintrajusc chama assembléia estadual para o dia 19. A intenção inicial era paralisar nesse dia, mas, em função do novo calendário de lutas da Fenajufe, que prevê paralisação de 48 horas para os dias 26 e 27 de abril, realizaremos assembléia para discutir a estratégia de luta da categoria.
Participaram da ampliada da Fenajufe representantes de 16 estados. A avaliação dos delegados é de que somente com pressão serão abertas as negociações entre o Judiciário e o governo federal para que o PCS seja aprovado na Câmara dos Deputados. No dia 27, deverá ser feita uma avaliação sobre o início da greve por tempo indeterminado.
Temos de lembrar que este é ano eleitoral, e iniciativas nos gabinetes só terão resultado com os servidores em greve. Não podemos mais esperar apenas pela boa vontade dos parlamentares. Como em anos anteriores, o PCS só vai andar se o Judiciário parar.

Negociações
Em reunião com os diretores da Fenajufe, na tarde desta segunda-feira, 10, a ministra Ellen Gracie garantiu que vai dar continuidade às conversas iniciadas com o governo federal pelo ex-presidente do STF, Nelson Jobim.
Ela se comprometeu a entrar em contato logo com o Ministério do Planejamento, Casa Civil e lideranças no Congresso Nacional, e em seguida retornar à Fenajufe o resultado das reuniões. De acordo com a ministra, que se posicionou aberta ao diálogo com os servidores, a “interlocução será permanente” entre o Supremo e a Federação. Como presidente, ela disse estar “credenciada” a fazer o diálogo entre os três poderes.
Em relação ao posicionamento sobre o projeto, a ministra Ellen disse que a aprovação do novo PCS é de interesse do STF, uma vez que o Judiciário não é formado somente pelos magistrados, mas pelos servidores, que são fundamentais para o funcionamento da estrutura deste Poder. Para isso, segundo ela, é necessário um bom Plano de Cargos e Salários.