Violência em São Paulo: Sindiquinze acompanha investigação de ataques em varas da 15ª Região


O presidente do Sindiquinze/SP, Joaquim Castrillon, visitou na segunda-feira, 17 de julho, a Vara Trabalhista de Taquaritinga, que na semana passada foi vítima de um ataque com dois coquetéis molotov. De acordo com informações do sindicato, Joaquim também visitará hoje, o Fórum de Lençóis Paulista, onde também houve ataque. As duas varas fazem parte do TRT da 15ª Região.
Apesar de ter o conhecimento de que o fato em Taquaritinga aconteceu na madrugada e que não houve feridos, o Sindiquinze quis sentir de perto o clima entre os funcionários e também saber sobre as investigações e tomar providências que possam proteger os servidores. O mesmo será feito em Lençóis, onde o caso foi bem mais sério, segundo informou o sindicato.
A visita do Sindiquinze à vara de Taquaritinga serviu para constatar que há pouca segurança na vara e na região onde a mesma se localiza. O prédio fica isolado entre terrenos baldios. A ação dos agressores parece ter sido planejada e difícil, tendo em vista que atravessaram um terreno irregular e com mato alto para chegar até os fundos da vara e arremessar as bombas caseiras.
O presidente do Sindiquinze constatou que um caso semelhante ocorreu no Fórum de Lençóis Paulista, no dia 13. Dois coquetéis molotov foram jogados na janela do setor do arquivo da 1ª Vara, por volta das 1h da madrugada, e pegou fogo nos arquivos. Desde o ocorrido, a vara está fechada ao público para reorganização dos documentos queimados e dos molhados pelos bombeiros.

Ações em Taquaritinga

O Sindicato foi à Polícia Federal de Araraquara para saber quais atitudes seriam tomadas em relação ao caso. Pelo o que foi informado por um agente, na segunda-feira ainda não havia inquérito aberto. Segundo levantou o sindicato, a PF disse que investigaria o posto de gasolina ao lado da vara para saber se houve compra de combustível a granel; se a câmara de vídeo da concessionária ao lado da vara gravou algum movimento e farão análise do sangue escorrido no local de onde foram jogados os coquetéis molotov.
O Sindiquinze enviará ofício ao Comando da Polícia Militar local e regional e ao Ministério da Justiça solicitando mais informações sobre as investigações dos casos de Taquaritinga e Lençóis Paulista. Ao Governo do Estado e à Secretária de Segurança pedirá ações efetivas de proteção das varas trabalhistas no Estado de São Paulo. Também pedirá a prefeitura de Taquaritinga que tome providências sobre o mato alto no entorno da vara e, ao proprietário do prédio da vara, será pedido à colocação de um alambrado em cima do muro.
Os servidores também pediram para o sindicato requerer ao juiz que o horário de expediente seja antecipado uma hora, por motivos de segurança.

Ações em Lençóis Paulista

Durante a visita à Vara de Taquaritinga na segunda-feira, o Sindiquinze tomou conhecimento do caso em Lençóis Paulista e programou uma visita ao local hoje. O ataque ocorrido por volta da 1h da madrugada quase incendeia a vara. Os vizinhos viram o fogo no prédio e chamaram o Corpo de Bombeiros. As chamas queimaram boa parte dos processos arquivados. Segundo informaram os servidores, a Polícia Federal de Bauru esteve no local e tem suspeitas de envolvimento de membros do PCC (Primeiro Comando da Capital).

Fonte: Sindiquinze/SP