STF não apresenta proposta final e Comando orienta fortalecimento da greve


            Mais uma semana se encerra e a orientação da Fenajufe e do Comando Nacional de Greve continua sendo para que os sindicatos e a categoria intensifiquem o movimento grevista em todo o país. De acordo com os coordenadores da Fenajufe, que estão em Brasília, somente uma greve forte, em todos os ramos do Judiciário Federal, terá forças para pressionar a presidência do Supremo Tribunal Federal a definir logo a proposta de revisão salarial e apresentá-la para a categoria. De acordo com eles, e força da greve dever ser o suficiente para garantir, ainda, que o projeto a ser encaminhado ao Congresso Nacional seja nos moldes do texto fechado pelos presidentes dos tribunais superiores em reunião do dia 7 de outubro. A reivindicação principal da categoria é o envio imediato do projeto ao Legislativo, sem redução na tabela.
A orientação do Comando Nacional de Greve nessa sexta-feira (27) se dá principalmente em função de o presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, ainda não ter apresentado a proposta final à Fenajufe. Os integrantes do Comando de Greve estiveram durante todo o dia no STF para tentar falar com os ministros e também com o diretor geral Alcides Diniz e com o diretor de Recursos Humanos Amarildo Vieira de Oliveira. O objetivo central era obter informações a respeito da reunião realizada na noite desta quinta-feira (27), quando o ministro Ives Gandra Martins, do CNJ, apresentou ao presidente do STF suas sugestões para a revisão salarial da categoria.
No final da tarde, depois de muito esperar no STF, os dirigentes sindicais conversaram com Amarildo sobre a proposta em discussão. O diretor de Recursos Humanos informou que somente hoje o ministro Gilmar Mendes analisou de fato as sugestões apresentadas pelo Conselho Nacional de Justiça. Amarildo garantiu que o Supremo está analisando o conteúdo das propostas e trabalhando com algumas alternativas, mas que isso dependerá de uma nova reunião com ministro Gilmar. A proposta final poderá ser apresentada no início da próxima semana.    
“O movimento grevista e o seu aumento diariamente em todo o país é o que determinou que a proposta da categoria fosse o principal assunto das conversas de hoje no STF”, avaliam os integrantes do Comando Nacional de Greve.   
            Após ser finalizada, a proposta será pautada em sessão administrativa e votada pelos ministros do STF. Em seguida, serão colhidas as assinaturas de todos os presidentes dos tribunais superiores e somente depois a matéria final será enviada ao Congresso Nacional em formato de projeto de lei.
 
Greve forte na próxima semana e reforço ao Comando de Greve
            Na avaliação do Comando Nacional de Greve, o fato de mais uma semana está sendo encerrada sem uma resposta concreta da cúpula do STF reforça a necessidade da intensificação da greve nos próximos dias. “A próxima semana será decisiva para nossa luta em defesa da revisão salarial. Precisamos garantir que todo o país esteja parado nos próximos dias, pois somente isso pressionará o STF a dar uma resposta satisfatória à categoria”, ressaltam os dirigentes sindicais.