Servidores do Rio rechaçam propostas dos magistrados e do CNJ


Em todas as assembleias no Rio de Janeiro, realizadas no final da tarde de ontem [23], os servidores em greve se mostraram indignados com as propostas sugeridas pela Frente da Magistratura e pelo conselheiro do CNJ, Ives Gandra Martins, que pretendem tornar o projeto de revisão salarial irreconhecível. Segundo o Sisejufe-RJ, a categoria está decidida a lutar e ampliar a mobilização.

“A iniciativa da Frente e de Ives Granda, ainda não colocada no papel, desfigura nossas propostas, reduz a tabela [com a criação de redutores salariais] e aumenta o tempo de progressão na carreira de 12 a 18 meses”, avalia a diretoria do sindicato.

Nesta segunda-feira [23], a categoria entrou em greve por tempo indeterminado em vários locais como no Tribunal Regional do Trabalho [TRT] da rua do Lavradio; na Justiça Federal das avenidas Venezuela e Rio Branco e no Tribunal Regional Eleitoral [TRE], na Presidente Wilson. O pessoal do Tribunal Regional Federal [TRF] parou por duas horas, das 13 às 15h, em frente à sede na rua do Acre.

Na avaliação da diretoria do Sisejufe-RJ, apesar da adesão tímida no primeiro dia de paralisação, durante a segunda-feira, com o acirramento das negociações e a nenhuma vontade da Frente de Magistratura, do CNJ e do STF resolverem o impasse, ela cresceu. “De um lado, a postura do ministro Gilmar Mendes que continua ignorando o envio do projeto, de outro Ives Gandra do CNJ e a Frente da Magistratura que querem empurrar goela abaixo um projeto frankenstein, com uma tabela rebaixada e aumento só em 2011”, critica o Sisejufe-RJ.

O presidente do Supremo já demonstra preocupação com a greve nacional da categoria. Tanto que publicou nota na página do STF, na última sexta-feira [20/11], informando que enviaria o projeto mediante a suspensão do movimento em todo o país.

“Não podemos mais confiar no senhor Gilmar Mendes. Assim, como também, não podemos voltar a atrás na greve nesse momento. Vivemos um momento decisivo. Depois de tudo que aconteceu, alguém ainda confia na palavra do ministro?”, questionou Roberto Ponciano, diretor do Sisejufe, na porta do TRT da rua do Lavradio. Ponciano referia-se ao recuo dado pelo ministro no encaminhamento do anteprojeto após os magistrados se posicionarem contrários ao envio da proposta de revisão salarial ao Congresso.

Veja a programação da greve por tempo indeterminado de hoje [24/11]
JF Rio Branco, JF Venezuela e TRE – Greve o dia inteiro
TRF – paralisação das 13h às 15h.
TRT Lavradio – paralisação das 10h às 12h.

Para saber mais sobre as assembleias desta segunda-feira no Rio de Janeiro acesse aqui.

Fonte: Sisejufe-RJ