Servidores da JE de Alagoas denunciam não pagamento de horas-extras


Por Imprensa

Segundo informações da Fenajufe, os trabalhadores da Justiça Eleitoral em Alagoas apresentaram à coordenação do Sindjus-AL documentos denunciando que a direção do TRE vem descumprindo a resolução do TSE que determina o pagamento de horas-extras trabalhadas durante os três meses que antecedem às eleições.

Segundo as denúncias, desde maio os servidores da JE realizam serviços extraordinários sem receberem os valores devidos a título de horas-extras. Muitos trabalhadores requisitados do Estado e municípios para trabalhar nos Cartórios Eleitorais durante as eleições, e que também estão sem receber pelos serviços extraordinários, têm que tomar dinheiro emprestado com servidores efetivos até para pegar condução para o trabalho e retorno as suas residências.

Apesar do tempo considerável de pendência do pagamento das horas-extras, somente há poucos dias o caso chegou ao conhecimento do sindicato. Entretanto, no decorrer de tempo entre o início efetivo dos serviços extraordinários e o mês vigente, vários requerimentos de iniciativa isolada de servidores ou grupos de servidores, dirigidos à Direção do TRE, foram protocolados, sem que se tenha conhecimento de que algum desses tenham prosperado.

Os servidores ouvidos pela direção do sindicato relataram que não estão em busca de privilégios, mas apenas do cumprimento do estritamente legal e comprovadamente devido. Os servidores reclamam que há disponibilidade orçamentária para pagamento das horas-extras e que argumentos extra-oficiais para o não pagamento, a exemplo de dificuldades na elaboração dos cálculos, são injustificáveis, uma vez que tal situação nunca ocorreu em eleições passadas.

A coordenação do Sindjus-AL está convocando a categoria para uma assembléia setorial para discutir o assunto e deliberar sobre a melhor forma de mobilização dos servidores para enfrentarem a situação, antes mesmo da realização do segundo turno das eleições em Maceió. Também solicitou audiência com o presidente do Tribuinal, Desembargador José Fernandes, para tratar do assunto.

Fonte: Fenajufe com informações do Sindjus/AL