Reunião entre Fenajufe, lideranças do governo no Congresso e STF define próximas fases das negociações em torno do PL 2648


Mais uma reunião da Comissão de Negociação  da Fenajufe em busca das melhorias no PL 2648/2015 aconteceu. Na tarde desta quinta-feira, 10, os coordenadores Cledo Vieira, Eugênia Lacerda, Luis Claudio Correa e Saulo Arcangeli, estiveram reunidos com os líderes do governo no Congresso, senador Paulo Rocha (PT/PA) e deputado José Guimarães (PT/CE) e com o Diretor Geral do STF, Amarildo Vieira. Também participaram os assessores Kenneth Fleming, Lourimar Rabelo e o assessor parlamentar do TJDFT.

 

A Comissão mais uma vez apresentou as reivindicações deliberadas pela categoria e aprovadas na reunião entre a Fenajufe e os sindicatos filiados em novembro. A posição dos negociadores foi a de defender a proposta aprovada na "ampliadinha" como parâmetro no processo de negociação com o STF e governo.

 

Ao se manifestar, Amarildo Vieira trouxe a posição já externada na reunião anterior acontecida na noite da quarta-feira, 9. O STF não se opõe à redução do parcelamento e à supressão do artigo 6º, que trata da questão dos 13,23%. Mas não vai negociar o aumento das CJs, que, segundo Vieira, atende reivindicação das administrações do STF e dos Tribunais Superiores.

 

A reunião marcou o momento de definição nas negociações. O deputado José Guimarães solicitou, como condição de prosseguimento das interlocuções junto ao governo, que Fenajufe  e STF produzam documentos com posições convergentes a ser levado ao ministério da Fazenda.

 

Guimarães se comprometeu em abrir a negociação com o governo a partir da elaboração dos documentos com as posições da Fenajufe e do STF.  Já o senador Paulo Rocha ficou encarregado de articular com os parlamentares a montagem da comissão que vai buscar o ministério da Fazenda para negociar as melhorias.

 

Próximas etapas e dificuldades a serem enfrentadas

 

Após superadas as fases iniciais da negociação e finalizado acordo entre Fenajufe, STF e governo, o momento seguinte será vencer as barreiras que poderão surgir na tramitação do projeto no Congresso Nacional.

 

Na visão de Guimarães a convocação de reunião do Congresso Nacional para a terça-feira, 15, poderá inviabilizar a votação do projeto. Para ele, é importante que o acordo esteja fechado, pois na hipótese de uma convocação extraordinária da Câmara e Senado, o 2648 deverá constar como item na pauta da convocação extraordinária.

 

O senador Paulo Rocha reforçou a importância de não haver documentos divergentes produzidos pela Fenajufe e STF. Caso isso aconteça, as negociações com o Executivo seriam inviabilizadas. Novo contato entre a Comissão e os parlamentares acontece na  próxima semana com data a ser divulgada.

 

Fotos: Valcir Araújo