Moacir Pereira divulga fake news sobre a Justiça do Trabalho


Colunista também cai em fake news. É o caso do jornalista Moacir Pereira, da rede NSC, que nesta sexta-feira (14) repercutiu nota da Confederação Nacional do Transporte (CNT) defendendo o fim da Justiça do Trabalho. Ao contrário do que afirma o colunista, a Justiça do Trabalho não é uma “jaboticaba” por não ter “paralelo em outros países”. Campanha do Coleprecor (Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho) contra as fake news mais comuns sobre a Justiça do Trabalho já esclareceu que Inglaterra, Nova Zelândia, Alemanha, Austrália, França, Bélgica, Israel, Suécia, México, Chile, Argentina e Paraguai são alguns exemplos de países que possuem cortes especializadas em casos laborais. Antes de dar holofote para os patrões, que serão os beneficiados com o fim da Justiça do Trabalho, é prudente checar.

Campanha contra fake news

A Justiça do Trabalho só existe mesmo no Brasil? Quanto ela custa aos cofres públicos? Essas e outras questões são esclarecidas com a campanha “Respostas às fake news sobre a Justiça do Trabalho”, lançada pelo Sintrajusc com base em iniciativas que estão ocorrendo em todo o país, entre elas as de Sindicatos, do Coleprecor e de TRTs.

O conteúdo é didático, com linguagem simples e direta, e tem o objetivo principal de conversar diretamente com a população. Há esclarecimentos, por exemplo, a respeito da existência da Justiça do Trabalho em outros países e os custos e arrecadação envolvendo esse ramo do Judiciário.

Os dados são oficiais e tem como base o Relatório Justiça em Números, principal fonte das estatísticas oficiais do Poder Judiciário. A divulgação é feita pelas redes sociais e se soma a outras iniciativas a serem implantadas em 2019.

Veja em http://www.sintrajusc.org.br/pagina/24475/sintrajusc-inicia-campanha-contra-fake-news-sobre-a-justica-do-trabalho