LDO pode ser votada só depois do segundo turno


Em uma reunião nesta terça-feira, 10 de outubro, dos líderes partidários da Câmara e do Senado com o presidente do Congresso, Renan Calheiros (PMDB/AL), não houve acordo para a realização de sessão conjunta nesta semana para votar o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2007. A aprovação da matéria, que já passou pela Comissão Mista de Orçamento, é pré-requisito para a votação da Lei Orçamentária Anual (LOA).
Segundo o líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chináglia (PT-SP), e o líder da minoria, deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA), é mais provável que a LDO seja votada depois do segundo turno das eleições, que ocorre no dia 29 de outubro.
“Talvez tenhamos que esperar o resultado do segundo turno para poder fazer o Congresso funcionar pensando só no país, e não no poder deste ou daquele em função da disputa eleitoral”, afirmou Chinaglia. Aleluia destacou que a LDO diz respeito a políticas a serem implantadas no próximo ano. “Portanto, quem deve estabelecer isso é o presidente eleito”, argumentou.

Fonte: Agência Câmara