Fenajufe questionará imprensa quanto a matérias distorcidas sobre serviços públicos


Já estão em análise pela Assessoria Jurídica Nacional as ações que poderão ser tomadas, além do pedido de direito de resposta, relacionadas às matérias veiculadas pelo Jornal Nacional, da Rede Globo, e jornal Folha de S. Paulo, com informações distorcidas sobre salários dos servidores e servidoras do Judiciário Federal.

Além da linguagem pejorativa induzindo a opinião público a uma ideia errônea sobre os salários recebidos por servidores no Judiciário, as matérias deixam inferidas percepções de que estes servidores ganham tanto quanto a magistratura, ou seja, uma mentira.

Na reportagem veiculada em 28 de setembro passado, no Jornal Nacional, mais uma vez a emissora optou por ouvir única e exclusivamente defensores das medidas que prejudicam e provocam sofrimento aos trabalhadores brasileiros, além de, é claro, empobrecer ainda mais a população.

A notícia traz apenas os depoimentos do deputado federal Tiago Mitraud (NOVO/MG), presidente da Frente Parlamentar da Reforma Administrativa, e o economista Gil Castello Branco, ferrenho defensor de medidas de austeridade e nada simpático ao setor público.

No jornal Folha de S. Paulo a matéria foca, especificamente, nos salários de juízes e desembargadores, bem como ministros dos tribunais superiores (leia AQUI). Mas na manchete – título da matéria em destaque – a ideia é que não são os pagamentos a estes personagens que inflacionam a folha de pagamento, e sim toda a pasta, incluindo os servidores e servidoras: folha de pagamento do Judiciário pode ser maior que prêmio da Mega-Sena.

Ironicamente, acima do título, figura um anúncio de um dos maiores bancos do país, responsável pelo constante empobrecimento da classe trabalhadora e patrocinador dos maiores defensores das reformas que atacam os servidores.

Fonte: Fenajufe