Entidades reforçam necessidade de unidade do movimento dos SPF’s


Por Janice Miranda

Na primeira Plenária Nacional de 2004, ocorrida ontem e organizada pela Cnesf, as diversas lideranças do movimento sindical dos servidores públicos federais fizeram uma análise crítica do primeiro ano do governo Lula. Todas as intervenções questionaram os rumos do governo de um presidente eleito pela maioria da classe trabalhadora e dos servidores públicos. Independente das diferentes posições políticas, foi unânime a avaliação de que o maior ataque ao funcionalismo público foi a aprovação de uma reforma da Previdência que retira direitos históricos e a não apresentação de uma política salarial que reponha as perdas acumuladas nos últimos oito anos e que impeça perdas futuras.

Também foi consenso, especialmente nas intervenções dos dirigentes das entidades nacionais da Cnesf, que é preciso maior unidade da categoria, da classe trabalhadora e de diversos segmentos da sociedade para que sejam conquistadas as reivindicações da Campanha Salarial de 2004.

O diretor da Fenajufe e coordenador do Sintrajusc, Caio Teixeira, que fez parte da mesa da Plenária, falou sobre as deliberações da VI Plenária Nacional da Fenajufe, ocorrida em novembro do ano passado. O dirigente lembrou que a categoria aprovou continuar na luta unificada com todos os servidores federais, além das fortes críticas ao processo de negociação com o governo, que não avançou em nada até agora.

Ele também citou as outras deliberações da XI Plenária em relação às conjunturas nacional e internacional, que são pela retirada do Brasil das negociações da Alca e pelo plebiscito oficial; pelo não pagamento da dívida externa; e pelo combate ao FMI.

Sobre a Campanha Salarial de 2004 dos SPF’s ele ressaltou que é fundamental que as entidades da Cnesf consigam o apoio dos vários segmentos do movimento social organizado. Para isso, ele sugeriu a realização dos seminários nos estados para que a sociedade possa discutir o que quer dos serviços públicos. O objetivo, de acordo com ele, é conquistar a unidade necessária para o movimento dos SPF’s.

Fonte: Fenajufe