– Entidades nacionais avaliam possibilidade de construir greve unificada dos SPFs em agosto


Os servidores públicos federais, de várias categorias, podem deflagrar um greve unificada em agosto, caso o governo não atenda, até lá, a pauta de reivindicações apresentada pelas entidades nacionais no início do ano. A decisão foi definida por consenso na última reunião do Fórum de Entidades Sindicais dos servidores públicos federais, realizada nesta quarta-feira [20], em Brasília.

Em reunião nesta quinta-feira [21] com os dirigentes sindicais, o secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Duvanier Paiva, rejeitou a reivindicação de reajuste linear para todas as carreiras. No encontro, o representante do governo também descartou a possibilidade de avanços na negociação geral em torno da data-base, transferindo para as mesas setoriais qualquer debate referente à questão salarial. Na avaliação das entidades, no que depender do governo, os reajustes se limitariam a eventuais reestruturações pontuais em algumas carreiras.

Algumas categorias já aprovaram indicativo de greve, que deve ser reafirmado em agosto. Os servidores da base da Fasubra [técnicos administrativo das universidades] ainda estão em greve desde o dia 6 de junho. No caso do Judiciário Federal e do MPU, a categoria suspendeu o movimento paredista na maioria dos estados, mas na próxima reunião ampliada vai avaliar a possibilidade de retomar a greve em defesa dos planos de cargos e salários.

Na próxima segunda-feira [25], as entidades se reunirão, às 14h, no auditório da Condsef, em Brasília, para avaliar o resultado da reunião com o governo e definir as novas ações da campanha unificada do funcionalismo federal.

Da Fenajufe, Leonor Costa