Em defesa do direito de greve, Sintrajusc negocia com bons resultados os dias parados no Apagão de 2 e 3 de agosto


O Sintrajusc deu andamento à negociação dos dias parados no Apagão do PJU nos dias 2 e 3 de agosto com bons resultados em defesa do direito de greve. Nesta terça-feira (16), ocorreu reunião com a diretora do Foro da Justiça Federal, Juíza Federal Érika Giovanini Reupke, e com o diretor da Secretaria Administrativa, Luiz Gonzaga da Costa Junior. Participaram o coordenador Paulo Roberto Koinski e a coordenadora Cristina de Assunção.

Os coordenadores disseram que, em sessão administrativa dia 10, logo depois do apagão, o Supremo decidiu enviar proposta orçamentária que inclui reposição salarial de 18% para servidores e servidoras do Judiciário Federal. Pela proposta, caso haja aprovação dos parlamentares, será concedida recomposição de 4,5% em quatro parcelas sucessivas, não cumulativas, sendo a primeira em abril de 2023, a segunda em agosto do mesmo ano, a terceira em janeiro de 2024 e a última em julho de 2024. Para isso, ainda será necessária a mobilização da categoria, como foi nos dias 2 e 3 de agosto.

Na negociação com a direção do Foro, ficou acordado que a compensação dos dias de paralisação será a reposição do trabalho, com prazo de 30 dias a partir desta terça-feira. Também restou convencionado que não deveria haver qualquer punição em desfavor dos servidores, bem como deveriam ser mantidos os períodos de férias já deferidos aos servidores participantes do Apagão Judiciário.

Justiça do Trabalho

O Sintrajusc vem desde o dia 3 demandando o TRT-SC para negociar os dias parados no Apagão. Nesta terça-feira, a Administração informou que as negociações encaminhadas estão na mesma linha da última negociação com o Tribunal, de compensação pela reposição do serviço, e que tão logo feche a frequência mensal será dado trâmite administrativo neste sentido. O Sintrajusc está aguardando a formalização da negociação.

Seguimos na luta!

17/08/2022