CUT lança nota repudiando interferência da Justiça Federal na greve dos SPFs


As interferências da Justiça Federal na greve dos servidores públicos federais provocaram a reação da Central Única dos Trabalhadores (CUT), que publicou nota repudiando as atitudes. Entre as principais interferências estão a aplicação de multas diárias e a exigência do retorno dos servidores ao trabalho. Segundo a Central, esta é uma forma de forçar a suspensão do movimento e o retorno dos servidores ao trabalho. Veja abaixo a íntegra da nota da CUT.

NOTA PÚBLICA

A Central Única dos Trabalhadores – CUT manifesta seu repúdio pela grave interferência praticada pela Justiça Federal contra a livre organização dos trabalhadores, ao determinar multas diárias à Sindicatos representantes dos servidores federais em greve, além da exigência do retorno imediato ao trabalho.
Esta decisão autoritária, que impõe arbitrariamente multas para penalizar financeiramente as Entidades Sindicais, busca pela força cercear a utilização da greve como instrumento legítimo de pressão por parte dos trabalhadores. Demonstra-se assim, mais uma vez, a urgência de reforma do Judiciário, de sua democratização, bem como a necessidade do fim do poder da Justiça de intervir de maneira ditatorial na organização dos trabalhadores.
A CUT defende o amplo direito de greve e o princípio da negociação coletiva, o que não está ocorrendo neste momento, onde as negociações estão paralisadas, sem apresentação de novas propostas por parte do Governo Federal. Defendemos um serviço público de qualidade para todos, o que só é possível, com a valorização do servidor público.
A CUT reitera seu apoio à mobilização dos servidores federais em curso, bem como conclamamos as nossas Entidades Filiadas, as trabalhadoras e os trabalhadores, a se engajar nesta luta que busca construir um serviço público de qualidade.

São Paulo, 15 de junho de 2005.

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES