A hora é de luta


Por Paulo Koinski
Coordenador do Sintrajusc
 
Alguns servidores resolveram voltar ao trabalho, não vamos criticar e sim agradecer a companhia destes valorosos companheiros nos momentos em que conseguiram caminhar juntos.
 
Esta luta já teve vários momentos desde 2009 e nela já enfrentamos: chuva, sol escaldante, notas desrespeitosas como a da FRENTAS em 2009, fraqueza dos  Presidentes de STF e de   outros tribunais que agiram como capatazes do  executivo, promovendo desconto de dias parados e  portarias abusivas ao direito de greve; já fizemos muitos atos, caravanas à Brasília de mais de 30 horas de ônibus.
 
Resumindo, este momento está sendo construído por muita gente, em vários momentos diferentes. Hoje é forte na JF, mas já foi forte no TRT e no TRE.
 
Este momento é impar, o somatório de tudo isso, é a maior greve do judiciário nacional com todos os estados em adesão.
 
Temos várias moções de apoio de magistrados, OAB e até Presidentes de Colégios de Tribunais, a luta pela autonomia do judiciário toma o lugar do pensamento mesquinho da Frentas que está sendo sepultado por este pensamento mais nobre.
 
O governo Dilma faz o seu papel da forma que sabe, mentindo sobre os valores e percentuais do PLC 28/2015. A imprensa também é usada para nos detonar como já foi feito nos PCSs 1, 2 e 3, nada de novo, cada um no seu papel e do jeito que sabe jogar.
 
Temos que continuar a fazer a nossa parte, os sindicatos promovendo a greve, contatos com os parlamentares e viabilizando a logística para que o sentimento da categoria seja efetivado em ações concretas como aquela votação histórica no plenário do Senado Federal.
 
Por isso nesta semana pedimos que cada servidor que voltou ao trabalho repense e volte para a luta, falta pouco para fazermos uma grande festa de varar a noite, nós merecemos e tem que ser com vocês que lutaram até agora, voltem.